segunda-feira, 25 de abril de 2011

Lembrando do que já passou.

Sabe quando o coração fica pequeno e uma dor enorme afeta sua cabeça?
Sabe quando você só quer alguém que lhe faça companhia, sem precisar de palavras, só para saber que há alguém ao seu lado?
Sabe quando você acha que o tempo gasto foi em vão?
Sabe quando a noite parece mais comprida, só por sua tremenda vontade de fazê-la ir embora?
Sabe quando você não quer dormir, não quer pensar, não quer fazer nada, só desligar-se do mundo?
Sabe quando nada, mas nada, mas nada resolve seu problema?
Sabe quando o vento frio entra pela janela tornando a situação ainda pior?
Sabe quando você tem a certeza de que se alguém, por um acaso, olhasse-te nos olhos, diria que havia algo de errado?
Sabe quando todas as lembranças possíveis voltam à sua mente?
Sabe quando nada mais importa, quando você cansa, quando você sabe que ama infinitamente alguém que não tem, mas teve algum dia?
Sabe quando você se culpa e é realmente o culpado por fazer promessas não cumpridas?
Sabe quando você só deseja voltar no que já foi passado, só quer esquecer o presente e mergulhar na própria angústia; sentir aquela pessoa que ama como um todo, ver sua metade tão próximo a ponto de desfalecer?
É... Assim que estou me sentindo agora.

domingo, 24 de abril de 2011

Dar tempo à vida.

                               Eu gosto de ser quem eu sou. Gosto de deixar a vida fluir e esquecer de tudo, apenas dar tempo ao tempo. 
                               Ele é o remédio dos corações partidos e das mentes apaixonadas, sendo assim, aquele que deixa boas lembranças nas partes mais sombrias da memória, que desmente falsas verdades e nos faz emergir de nossas próprias derrotas e armadilhas. É o tipo que não teme por não poder, que tempo não passaria por medo? O tempo só passa, passa sem graça, passa e nos faz aprendizes de nossos próprios erros, e mortos somente por tê-lo; porém, em sua aplitude, nos faz olheiros sem referenciais, portanto, nos faz perdidos e perdedores. Perdedores por não notar sua velocidade; nos faz tontos e cegos, e ainda assim, continua a passar desapercebido pelos traços jovens e novatos. 
                                Nos deixa bêbados. É como uma droga. Nos submete de maneira tão caótica a cada segundo, que nos faz verdadeiros loucos. Nos faz amantes; nos faz errados; nos faz arrogantes e angustiados. E a medida que ele passa nos faz traidores, portanto, traídos. Nos faz boicotar nossa felicidade e violar nossa intimidade. Nos faz merecedores da realidade e sofredores por saudade. Nos faz cheios de curiosidades, tão irreversível quanto as escolhas que ele nos faz fazer.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Aquecimento Global

Eu preciso fazer um resumo sobre a Primeira Guerra Mundial, mas ainda acho vir aqui mais importante. 




Claro, todos têm opiniões. Eu, por exemplo, acredito sim no Aquecimento Global, no que eu não acredito e acho estúpido é que digam que o mundo vai acabar devido a ele. O mundo vai acabar sim, mas o principal motivo é a ignorância humana. Se as pessoas não fossem ignorantes ao ponto da privação de conhecimento, talvez, o mundo fosse melhor. Se as pessoas pensassem o suficiente antes das ações, talvez, o mundo fosse melhor. Ainda assim, um talvez é apenas um talvez e não é um fato certo, é uma suposição.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Perdida.

Terça-feira, nem acredito que já estamos no dia cinco de Abril... O tempo passa tão rápido e não parece ser tão proveitoso como poderia... Várias ideias escapam pelos espaços vazios da mente...