segunda-feira, 30 de maio de 2011

Confusão

                        Quando você fala, é como se eu realmente ouvisse sua voz. Como se eu pudesse, realmente, olhar teu olhar profundo. É como se só pudesse vê-lo. Ainda não entendo como suas feições podem ser tão secretas e tão desejadas. Como um quebra-cabeça... É tão estranha a sua forma de me confundir sem nem querer. Sem nem saber. Talvez, eu finalmente consiga te amar como eu quero, como deveria ser certo, mas, por que, afinal, depois parece tão errado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário