domingo, 22 de maio de 2011

O número da poltrona: não lembro. Ao menos, não agora.

                    Eu estava bem cansada depois da viagem. O tempo estava nublado, mas não era algo que me impediria de viajar novamente. Entrei na estação, estava bem lotada e era enorme! Aos poucos, o tempo passava. E logo entrei no ônibus. Três passagens para duas poltronas. Escolhi ficar separada dos outros. Mas ninguém merece viajar em corredor. Ninguém. Porém, na passagem minha poltrona seria a do corredor. A expectativa era imensa, não fazia a mínima ideia de quem viajaria ao meu lado... Respirei aliviada quando o ônibus começou a andar e sentei na poltrona da janela. Porém, pouco tempo depois, ele - para o meu azar - parou. Aquela típica coisa de filme e quando ele entrou e me viu lá... Tinha a certeza de que era o "comprador" do bilhete. Seu sorriso e seu olhar de perdão diziam tudo, mas meu sorriso foi tão sincero quanto o dele ao agradecer por seu lamento e lhe dar boas vindas. Seu cheiro de ferrugem fez meu nariz ficar incomodado, mas não conseguimos ser totalmente satisfeitos.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário