quinta-feira, 23 de junho de 2011

Mesmo depois de tanto tempo, ainda lembro da tua voz.
Lembro de quando você estava ao meu lado.
A saudade ainda aperta o peito e o choro continua preso na garganta.
Mesmo depois de tantas mudanças, provavelmente te reconhecerei.
Nem sei por onde andas, na verdade, sei que aqui dentro, em minhas lembranças, você continua com seu sorriso.
Depois de tanto tempo...
Nunca te deixei.
Nunca quis te deixar.
E você continua a ser parte de mim.
Quem sabe até hoje espere a ligação que não fiz.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Sabe, eu gostaria que fosse como antes. Como no começo. Quando o amor parecia real. Quando não parecia indiferente tanto para você quanto para mim.

sábado, 18 de junho de 2011

Linda Rosa

Nossa o show foi muito bom. Muito mesmo. Depois, fui à casa de uns tios meus e nossa a comida estava E-S-P-E-T-A-C-U-L-A-R!

Poxa, eu pretendia colocar um vídeo que gravei dedicado ao Lu, te amo, tá? Mas não está funcionando. Enfim, vou estudar porque tenho uma prova (amanhã) hoje bem cedo.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

As pessoas cansaram de brincar só com o tempo... Também brincam com os sentimentos e com o respeito.
Nem parece que estive aqui há pouquíssimo tempo. 
Anda tudo tão corrido. 
Tão complicado.
É, véspera de recesso, aguenta. 
Estou evitando ao máximo voltar a estudar, então vim postar qualquer coisa. Acho que até guardarroupa eu decido arrumar, quando preciso estudar. É, evito ao máximo; por quê? Não sei. 

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Previsões

Minha suposição? De que será como sempre. Você estará frente a frente com quem algum dia amou e te amou. 

               A olhará da cabeça aos pés. A raiva pulsará em tuas veias. Os pensamentos confundirão em sua mente. Você estará torturando-se, perguntando-se como... como pôde fazê-lo, como pôde amá-la. Ela não reparará na verdade que teus olhos escondem, mas os amará; os guardará para sempre, afinal, é o que ela tem feito todo este tempo... tem guardado, tem pensado, tem convivido com cada pedaço da única imagem que tem de ti. E você estará desconsiderando todas as possibilidades sugeridas anteriormente... tanto a você quanto a ela. Embora deixe-se perder na profundidade de seu olhar, não consegue considerá-lo seu. Não fará nada além de apresentar um falso sorriso - que ela julga verdadeiro. Depois deixará claro que ela é considerada um mero paliativo. 

Se sempre é assim, por que com você seria diferente?
Por que seria um amor diferente, se nem o significado, nem o uso da palavra é verdadeiro no presente? 

domingo, 12 de junho de 2011

DANCEI

video
Se a realidade fosse assim, pudesse ser tratada como fotos boas ou ruins. Ah, seria muito falsa.

Devaneios

                 Às vezes parece ficar mais difícil. Às vezes parece que meu peito vai explodir. Quem dera te amar de uma forma normal fosse a realidade. Mas quando não há exatamente uma imagem real, quando algo é fictício e palpável, o que se pode fazer? Simplesmente esquecer ou amar cada vez mais? E inúmeras vezes pego me perguntando se é, de fato, existente. Se não é só mais uma invenção de uma mente confusa. Se não é algo proposital para que haja sofrimento. Se para você é ao menos verdadeiro como é para mim. Ah, sei lá, a profundidade do teu olhar; o reflexo da tua alma; o tamanho da tua dor... Ainda parecem tão distantes. Será que por tamanha ser a distância, procuro um refúgio, um lugar onde possa me sentir segura, junto a teus braços; junto a ti.
            Será a ingenuidade teimando habitar um lugar ao qual não pertence? 
            Calma, já não é algo que eu consigo ter aqui. O coração bate mais forte. O corpo entorpece. A ponta dos dedos congelam. Minhas pernas ficam trêmulas. Como? Como você consegue fazer tanto comigo, ainda que com pouquíssimas palavras. Ainda que não esteja sóbrio, eu vejo a sinceridade em sua fala.

domingo, 5 de junho de 2011

Ilusão

            Teu ombro era o aconchego durante o cochilo e suas mãos esquentavam as minhas, enquanto o jazz enchia nossos ouvidos. Logo chegamos. E nossos sorrisos continuavam sinceros. Havia tanta saudade em meu peito. Mais tarde, meus dedos doíam devido as cordas do violão, mas meus olhos nunca cansariam de ver-te. 
              Noutro dia, podia sentir seus dedos acariciando-me o pé da orelha e afastando meus cabelos do rosto. Podia sentir teus lábios em minha testa. E tuas mãos junto às minhas. O vento tocava minha pele descoberta, porém, o calor que seu corpo emanava, era suficiente para que não sentisse frio. E era tão bom compartilhar um céu tão bonito com alguém tão amado; o prazer era infinito. 
                 De alguma forma, você apenas pisava em minhas pegadas. Não precisava de palavras. Eu não queria palavras, e você soube bem como fazê-lo. Esperou o quanto foi preciso. E não falamos nada. Estar ao seu lado era suficiente para afastar a angústia e o mau humor. Esperava algo repentino passar, enquanto via o tecido da rede balançar de um lado ao outro. O olhar fixo no nada. Mãos paradas; ao seu alcance. Tocou-as. Agora meu olhar estaria fixo em você. Seguido por teus lábios colados aos meus. 
Bom lugar; boas pessoas; boa música; ótimo domingo.

sábado, 4 de junho de 2011