sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Caleidoscópio

Estava sentada olhando para a água do lago, ouvia o vento na copa das árvores e aspirava aquele ar puro. Minhas narinas doíam com aquele cheiro forte. Meus dedos começaram a percorrer a água resultando numa reflexão difusa, como andava a minha mente... Ao lembrar de tudo o que passou, percebi que eu podia sorrir com meus lábios, olhos e corpo, que podia sorrir por inteiro, apenas por ter compartilhado momentos tão bons, aquela euforia que começava e se espalhava num piscar de olhos, ou melhor, se espalhava tão rápido quanto as lembranças chegavam à minha mente, e quanto as lembranças faziam meus lábios se curvarem. E, afinal, por que estava aqui? Sozinha? Sem partes de mim? Pelo meu comportamento? Acho que não... Pelos meus sentimentos? Não, provavelmente não. Pelas minhas palavras? Bom, talvez. Percebi que em alguns dias ele estava sendo capaz de segurar em suas mãos e partir facilmente a minha parte mais forte e frágil. Não se importava com a minha dor, só porque palavras que o farão crescer, algum dia, machucaram-no. Porém, uma coisa que ele não lembrou, portanto não fez questão de varrer por ali, é que aquelas partes se juntariam, fosse como fosse, lá estaria um coração batendo, apertado e frouxo... Ali estaria um coração batendo que esteve assim por ele, que esteve eufórico somente por ele. E, ao juntar cada partezinha, aprendia algo. Aprendia, inclusive, a perdoar por aquilo que doía, perdoar enquanto aprendia a lembrar do passado e colocar em algum lugar paralelo ao futuro, para que algum dia, nossos caminhos se cruzassem novamente.

Primeiro me entreguei, depois esqueci e, ao final, perdoei. Não sei se faria o mesmo agora... Não sei se faria nessa ordem. E você, como o faria?

Nenhum comentário:

Postar um comentário