domingo, 8 de janeiro de 2012

Fúcsia

Era como devorar e ser devorada. Aceitar por puro agrado alheio. Estou lá, esperando por algo que não aconteceria. Que seria desejo e saudade. Não há palavras que possam falar o suficiente, porque um olhar já me tirou para dançar e eu não vejo motivos para deixá-lo sozinho no meio do salão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário