domingo, 30 de setembro de 2012

Dois travesseiros

Eu te peço que fique, só hoje, só esta noite.
Eu não só quero, eu preciso que você esteja aqui, comigo, apenas hoje.
E por que isso tudo? Pra quê? Eu já sabia que você sempre teria que ir embora. Sempre teria que ir mais cedo. Sem despedidas. Que você sempre iria e eu ficaria aqui, só.

E eu te peço que, só hoje, fique. E que fique mesmo, porque eu quero acordar ao seu lado. E eu quero te ter por inteiro. Com olhares inteiros e mais que sinceros, com beijos inteiros e nem um pouco discretos, então, fique. Apenas hoje, por um tempo mais. Porque as taças - as nossas taças - já estão na mesa e as nossas xícaras já estão no escorredor.

Fique, apenas hoje, fique, por favor.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Bilhete

Minha necessidade de ti é tão grande. Talvez seja só pelo acúmulo de anos a que eu fui exposta sem a sua presença. E, agora, é tão inacreditável o fato de te ter comigo, mas te ter, ainda, apenas pela metade. Me tranquiliza a quase certeza de que são meses, coisa pouca se comparada aos anos, aos tantos anos em que estive aqui, com janelas brechas abertas e portas trancafiadas. Talvez por me prender à ilusão, vangloriava um futuro do qual nem eu mesma sabia. Parece que, pra mim, você é o triplo e pra você eu sou o 1/8. O que me restou, não lágrimas, porque o tempo de ensinou a lidar com os problemas, mas o desapontamento, que o tempo me fará engolir depois, mas em poucos goles, já que nada era certeza, porque, bom, depende. Tudo depende de tantas coisas. Nem de viver estamos convictos, quanto mais das coisas de diversas faces que nos cercam.