segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

It makes me wonder

Você sempre me invade como um zepelim. 
Passa sorrateiramente, mas como um furacão em mim.

Por vezes, nossos pensamentos se cruzam nessa imensidão, a qual compartilhamos de diferentes lugares, mas sempre buscando vida, buscando respostas em nós mesmos, buscando não estarmos tão sós quanto estamos tantas vezes. Às vezes, buscando nada. Cheios de paz. Só contemplar, só ouvir, só estar.

E tantas vezes, de vez em quando, quero tanto só estar contigo.
Marte por nós dois!
Só estar, em paz.
Estar contigo, em ti, por ti; por mim.
Você em mim.
E nada mais.



sábado, 7 de novembro de 2015

A vida é louca

A V I D A é louca

Mas o que me aflige não é que o tempo acabe,
é que passe e nunca repasse, senão em mim...

O que me aflige é que o tempo passe e
nunca reviva em liberdade

Não é que acabe, é que repasse
nesses momentos mortos em mim

Mortos-vivos.
Maravilhosos.
Sóis. SÓS.

V I D A é louca

(ponto)

terça-feira, 6 de outubro de 2015

União obsoleta

O título já é praticamente autossuficiente, tal qual bem podemos ser, depois que a vida é tão nossa quanto somos dela, mas por que essas obsolescências são tão naturalizadas? Não que eu esperasse algo mais, nesse caso... Já entendi que é tão natural pra muitos nós, que tento nem ligar mais... É tão simples entrar e sair da vida dos outros, tão simples não ser ou ser e depois não ser nada mais, nada além de alguém que já passou.

- Oi. Preciso de alguém que ocupe meu vazio!
- Então, não tão bem. Também preciso de alguém que me ocupe, mas me ocupe a mente.

Aliás, parafraseando Shakespeare, realmente entendemos, com(o) o tempo, que beijos não são contratos. E nesses não-contratos os dias foram tranquilos, os dias foram de vazios preenchidos, os dias foram e continuaram sendo, e continuarão sendo, mas já não nesses beijos. Naqueles beijos nem tão vazios, naqueles beijos que alimentam o ser, naqueles beijos que alimentam o viver. Já não nesses beijos fugidios, não nesses beijos líquidos, cujas palavras parecem suficientes para parecer tudo bem, cujo prazer parece suficiente para finalizar e cuja vontade parece suficiente para voltar. Beijos líquidos, beijos esponjosos. Beijos. Contatos. Não são contratos. 

"Nadie se baña en el río dos veces porque todo cambia en el río y en el que se baña"
(Heráclito)

Também tenho outras pendências a resolver.
Sabe, eu até gostei. 
Desejo que suas vontades continuem te guiando a outras esponjas, 
e que elas transbordem, como não transbordei contigo,
(e eu sei)... C'est la vie.


sábado, 5 de setembro de 2015

eu sinto tudo, aquilo tudo...
mas continuo sem saber
continuo sem ser
continuo sem dizer
aquilo tudo
que sinto
por tudo aquilo que sou
porque simplesmente não és

não és opção, não és direção
simplesmente não és
não és direção, não és opção
não és ninho
não és morada pro meu amor

domingo, 26 de julho de 2015

2

Somos paradoxos.
Ele é dois em um...
Amor e temor.

Nunca sei se mudança,
Ou se é continuação.
Nunca sei se é só vontade,
Ou se é decisão.

É que ao amor,
Sim.
O temor...
É uma cura sem procura.


Somos descanso.
Ele é um desafio
E é lembrança.

Nunca sei se futuro,
Ou se nada além.
É como passageiro,
Como diversão.

É liberdade,
É conhecimento,
É querer estar,
É querer ficar.


Nada somos.
Nunca fomos.
Ele é desencontro.

Nunca sei se será,
Ou se assim permanece.
É como aventura,
Como risco.

É futuresco,
Outra realidade,
Passageiro,
É descaso.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Pássaro

Nunca é suficiente...
O tempo voa contigo.
Com o coração na mão eu fico
Quando partes assim.

Até parece que é tudo novo;
Mas feliz...
Continua o mesmo de quase sempre,
Com jeito de lar!

É liberdade apegada;
É que nem pássaro que vai e volta;
É que nem mar, que acalma e revolta;
E é, além de tudo, amor... E nada mais.



segunda-feira, 6 de abril de 2015

Frutos suculentos e moribundos

Seu corpo se entrelaça em muitos nós;
que nem frutos da época, alcançados através de galhos e emaranhados.

Trepadeira dos quereres e da omissão,
como se já não fosse certo o que nós lhe fazem.

E, nesse estar de flores que ora sim, ora não,
os gostares se confundem, e ver quando se fundem é apenas ilusão.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Todo Cambia - Mercedes Sosa



"cambia lo superficial
cambia también lo profundo
cambia el modo de pensar
cambia todo en este mundo"

"Terceira sexta-feira da semana" nessa vibe e estudando.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Das pessoas que estiveram ao redor

Escutar Between The Bars é quase como estar acompanhada de um copo de whisky, com toda a ilusão de que ele é - erroneamente - o melhor amigo nas horas problemáticas, enquanto observo as nuvens, que um dia vieram acompanhadas de tempestades e arrastaram as pessoas que estavam ao meu redor, mas hoje são apenas lembranças, como o sentimento nunca dormente por esses que partiram em vida da minha vida, e continuam ao redor, mas não ao meu redor propriamente dito. 

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Gaiola.

Mente inquieta,
Querendo saber como vão essas inspirações de Alzheimer

Inquieta, 
Porque cada palavra é como um tiro na testa

Fica a mente
Querendo vomitar as palavras presas

A mente inquieta
Sendo presa do próprio imperdão




sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

pedaço do limão

Volta...

Não vai como sempre,
não vai como todos.

Fica mais um pedacinho, 
só pra gente ficar aqui assim
juntinho, agarradinho.

Chi chi chi le le le


Zona Urbana

En Frutillar


Casablanca

Puyehue

En Osorno

En Osorno


En Osorno


Plaza de Armas, Osorno

Plaza de Armas, Osorno
Playa Solanera
En la Playa Solanera