segunda-feira, 6 de abril de 2015

Frutos suculentos e moribundos

Seu corpo se entrelaça em muitos nós;
que nem frutos da época, alcançados através de galhos e emaranhados.

Trepadeira dos quereres e da omissão,
como se já não fosse certo o que nós lhe fazem.

E, nesse estar de flores que ora sim, ora não,
os gostares se confundem, e ver quando se fundem é apenas ilusão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário